material acadêmico

Este é um espaço dedicado a  você, professor de Teatro. Aqui você pode divulgar seus trabalhos acadêmicos (dissertações, teses, monografias, ensaios e artigos) já publicados ou não e resultados de pesquisa na área de Teatro-Educação. Colabore e aproveite a experiência dos seus colegas.

O presente trabalho monográfico procura investigar estratégias e procedimentos criativos em direção teatral. A análise se desenvolve a partir da compreensão dos trajetos, ou seja, dos caminhos, diante de uma reflexão das experiências que foram vividas ao longo da minha carreira, contribuindo para o enriquecimento pessoal e profissional. Acredito que a condução de um processo criativo é pedagógico, uma vez que decorre da troca, da colaboração, do coletivo e da própria individualidade do artista. Tudo junto criando o espetáculo. Consideraremos três processos criativos da Cia. Yoko de Teatro: “A Flor e o Sol”, “Mulier” e “Eu Rondei e Vou Rondar”, objetivando identificar as estratégias de condução metodológicas do processo cênico. A pesquisa pauta-se nos princípios de criação da encenação, tendo como investigação, a figura do encenador pedagogo.

Esta tese pretende mapear algumas das atuais discussões acerca do teatro na educação – a partir de minha própria experiência como professora de Teatro -, assim como apresentar os resultados alcançados pela pesquisa realizada no âmbito de meu doutorado. Na primeira parte do texto, novas visões pedagógicas para o ensino das artes apontam a possibilidade de abordagem de conteúdos de história do teatro na escola, conforme sugerido pelos Parâmetros curriculares nacionais, que foram fortemente influenciados pelo conceito da Abordagem Triangular, elaborado pela educadora Ana Mae Barbosa. Na segunda parte do trabalho, procuro fazer um levantamento de materiais didáticos disponíveis para apoiar o trabalho com história do teatro em contexto escolar, além de relatar e analisar algumas das experiências que tenho conduzido junto a meus alunos da disciplina de Teatro, especialmente do Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira (CAp-UERJ).

O espetáculo “O Despertar da Primavera” de Frank Wedekind, encenado no Teatro Ruth Escobar em dezembro de 2014, por elenco do quarto e sexto semestres do curso de Artes Cênicas da Faculdade Paulista de Artes, foi o objeto de estudo para analisar o relacionamento entre professor/diretor e alunos/atores durante as aulas e os ensaios. Este trabalho tem como objetivo debater a eficácia do método aplicado pelo professor/diretor, na parceria com os alunos/atores em função do espetáculo. Este estudo destina-se às pessoas que desejam conhecer as experiências cênicas realizadas na sala de aula durante uma montagem teatral. Favorecer a compreensão das relações entre professor e alunos, voltada a estudantes de teatro, profissionais de Educação e Artes em geral. 

Este estudo analisa a metodologia dos jogos teatrais desenvolvida por Viola Spolin (1906- 1994) sob o ponto de vista de um aprendizado pela experiência, examinada a partir dos conceitos de experiência desenvolvidos por William James (1842-1910) e John Dewey (1859- 1952). Procuro compreender especificamente os conceitos de experiência na perspectiva destes autores, em suas várias formulações, buscando estabelecer possíveis diálogos com a prática dos jogos teatrais. No panorama da pedagogia do teatro, procuro estabelecer as relações possíveis destes conceitos com a metodologia improvisacional dos jogos teatrais proposta por Viola Spolin.

O presente trabalho se propõe a relacionar as cinco etapas da estrutura processual da experiência viva (Erlebnis), proposta por Wilhelm Dilthey (1833-1911) e analisada por Victor Turner (1920- 1983), dialogando com os jogos teatrais propostos por Viola Spolin (1906-1994) a fim de perceber os aspectos não visíveis a um primeiro momento, mas presentes na performance do jogo teatral. Segundo a estrutura analisada por Victor Turner, a experiência viva ocorre a partir das seguintes etapas: 1) percepção; 2)imagens de experiências do passado; 3) emoções associadas aos eventos do passado; 4) o passado articula-se ao presente numa “relação musical”; e 5) a experiência se completa através de uma forma de “expressão”. Os jogos teatrais, propostos por Viola Spolin tem como fundamento a ação improvisada, baseada basicamente em três procedimentos principais: Foco, Instrução e Avaliação. É um aprendizado pela experiência. Considerando o jogo teatral como performance, é possível estabelecer a relação entre ele e as cinco etapas da estrutura processual da experiência viva, percebendo como a performance do jogo está repleta de aspectos não visíveis, porém fundamentais para a expressão final do jogo.

Página 2 de 6
Give your website a premium touchup with these free WordPress themes using responsive design, seo friendly designs www.bigtheme.net/wordpress